São Paulo lidera visitas aos Centros de Atendimento ao Turista

Durante os meses de janeiro e fevereiro de 2016 os Centros de Atendimento aos Turistas – CATs, mantidos pela Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), receberam um total de 465 visitas, que responderam ao questionário de Pesquisa de Turismo Receptivo – Avaliação de Visitantes.

Os CATs estão instalados nos seguintes locais: Complexo Turístico Ponte Estaiada, Central de Artesanato Mestre Dezinho, Aeroporto de Teresina, Parque Encontro dos Rios, Shopping da Cidade e Parque Lagoas do Norte.

Com base nos questionários, que são entregues pelos atendentes dos CATs, observa-se que os turistas procedentes do estado de São Paulo lideraram as visitas nos dois primeiros meses do ano, com 15,7% em janeiro e pequeno aumento de fluxo em fevereiro, passando para 16,9% do total. O Distrito Federal apresentou a segunda posição em relação ao fluxo turístico, com 12,3% em janeiro, perdendo essa posição para o interior do Piauí no mês seguinte, que registrou 11,4% em fevereiro.

Em relação ao total de visitas de estrangeiros, o mês de janeiro recebeu 23,1% provenientes dos Estados Unidos, 15,4% do Uruguai e 15,4% da Colômbia, esse último tendo apresentado em fevereiro um crescimento de 33,3%, destacando-se como maior emissor naquele mês. O segundo país que mais enviou turistas a Teresina, em fevereiro, foi o Canadá, com 25% do total do fluxo de visitantes estrangeiros aos CATs.

A permanência média dos visitantes nacionais foi de 7,8 dias por pessoa, em janeiro, e 11,9 dias por pessoa, em fevereiro. Já a permanência média dos visitantes estrangeiros alcançou 27,6 dias por pessoa em janeiro e 12,1 dias por pessoa em fevereiro, por conta de turistas que moram em outros países e vieram a Teresina passar as férias com seus familiares, o que elevou o tempo de permanência na capital.

Em relação às motivações de viagem, em janeiro e fevereiro as visitas a parentes e amigos lideraram com 54,2% e 45,1%, respectivamente, seguidas de turistas que vieram motivados por negócios 16,1% e 18,3%, saúde 7,4% e 13,1% e eventos 8,4% e 8,9%. O meio de hospedagem mais utilizado, nos dois meses referidos, foi a casa de parentes e amigos, com 44,2% e 40,8%, respectivamente, acompanhado de hotel 40,6% e 35,2% e pousadas e pensões 7,2% e 13,1%. Os meios de transportes mais utilizados foram avião 49% e 50%, ônibus 24,3% e 25% e automóvel 24,3% e 23,1%.

A pesquisa também verificou a nota atribuída pelos visitantes a Teresina, registrando 8,6 em janeiro e 8,7 em fevereiro, numa escala de zero a dez.

Teresina vai contar com nova unidade do SINE

O prefeito Firmino Filho participou hoje(04), no Palácio da Cidade, de mais uma reunião do  Conselho Municipal de Emprego de Teresina (COMETE). A reunião serviu para a discussão das ações com vistas à instalação de mais uma unidade do Sistema Nacional de Emprego (SINE) em Teresina.

Antônio Gonçalves Leitão Filho, técnico do Ministério do trabalho e do Emprego, explicou que a meta é ampliar as ações do SINE em todo o país, com prioridade para os trabalhadores mais vulneráveis. O conselho é composto por 15 instituições e tem como presidente o secretário de Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), Fábio Nery.

A partir de agora, conforme o prefeito Firmino Filho, Teresina terá condições de implementar os programas de geração de emprego e renda, bem como a obtenção de projetos com recursos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Participam do COMETE representantes da SEMDEC, Secretaria de Desenvolvimento Rural de Teresina (SDR), Fundação Wall Ferraz, Câmara de Dirigentes Lojistas de Teresina (CDL), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção (SINTRICOM), Sindicato dos Empregados no Comércio e Serviço de Teresina (SINDCOM), Associação Comercial Piauiense (ACP), Sindicato dos Trabalhadores Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (SINTETRO), Secretaria Municipal de Economia Solidária (SEMEST) e Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/PI).

Iluminação será ampliada no Polo Empresarial Sul de Teresina

A iluminação e eletrificação do Polo Empresarial Sul foram os assuntos abordados durante reunião entre empresários, Eletrobrás, poder legislativo e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC) na tarde da última quarta-feira (02).

Com 19 indústrias instaladas e mais de dois mil empregos gerados diretamente, o Polo Empresarial Sul é uma das maiores apostas de investimento na cidade, contando com 143 hectares. Para tanto, é necessário a ampliação da sua rede de eletrificação, já que nos próximos meses mais empresas do setor atacadista e industrial irão instalar-se em sua área.

Através de uma Emenda Parlamentar no valor de R$ 283 mil, do vereador Aluísio Sampaio, as melhorias para o Polo serão iniciadas na parte da iluminação pública, contando com o apoio de planejamento, logístico e de execução da Semdec, Semduh e SDU Sul.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do município, Fábio Nery, já assegurou a elaboração do projeto responsável pela parte da eletrificação e iluminação necessária que, em seguida, passará pelo crivo da Eletrobrás, antes de sua execução. “Vamos fazer um novo projeto, atualizado, contemplando toda a área do Polo Empresarial Sul. Vamos considerar de início as áreas já construídas”, pontuou o gestor.

A execução da obra será de responsabilidade da SDU Sul, com previsão de entrega até o início do segundo semestre. Participaram da reunião o assistente da diretoria de Planejamento e Expansão da Eletrobrás, Luiz Carlos Coelho, os empresários Eduardo Cosme, Antonio José Lira, Gilberto Pedrosa, da Associação das Industria do Piauí, o vereador Aluísio Sampaio, Davimar, da SDU Sul e o secretário da Semdec, Fábio Nery.

Corso atraiu o dobro de turistas em relação ao ano passado

A quantidade de turistas que vieram exclusivamente para o Corso 2016 cresceu 93,9% em relação ao ano de 2015. É o que revela a Pesquisa de Opinião realizada pela Prefeitura de Teresina, através da equipe técnica de Turismo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC). A pesquisa ouviu 312 foliões, entre 17h00 e 22h00 do último dia 30 de janeiro.

Em 2015, 40% consideraram ter vindo a Teresina atraídos pelo Corso, representando um total de 14.600 pessoas, enquanto em 2016 esse percentual subiu para 74,1%, podendo-se afirmar que 42.459 pessoas vieram somente para o Corso. No âmbito geral, a quantidade de turistas que estiveram em Teresina, no período do Corso, cresceu 4,5% em relação ao mesmo período de 2015, passando de 14,6% para 19,1%.

O Coronel Sá Júnior, Comandante do Policiamento da Capital, calculou em 300.000 pessoas no corredor da folia. A informação está no site do Governo do Piauí. Esse número representa um crescimento de 16,7% em relação ao ano passado. O crescimento turístico também elevou o número de teresinenses na avenida, embora tenha passado de 84,8% em 2015 para 80,9% em 2016. Essa informação, cruzada com a pesquisa realizada pela SEMDEC, abre uma estimativa de 242.700 pessoas da própria cidade, contra 212.500 em 2015, enquanto foram registrados 57.300 visitantes provenientes de outras cidades do interior do Piauí e de outros estados.

As casas de parentes e de amigos continuam como meios de hospedagem preferidos dos que visitam Teresina no período do Corso, representando 88,7% das respostas dos entrevistados, os quais passaram em média 5,6 dias na cidade. A idade média do folião variou entre 18 e 25 anos, representando 34,5% dos entrevistados. Em relação ao sexo, a pesquisa indicou que se manteve predominância feminina na avenida, com 58,1% do total de entrevistados. O setor privado emprega a maior parte dos foliões, com 40,8%, enquanto o setor público contribui com 24,4% do que estiveram na avenida da folia.

A renda média mensal do entrevistado se situou em torno de R$ 2.297,84, com gasto médio de R$ 166,59 por pessoa. Considerando um fluxo de 300.000 pessoas, a receita oriunda do Corso chegou a R$ 49,9 milhões, tendo como beneficiários diversos prestadores de serviços oferecidos nesse período, entre táxis, fornecedores de bebidas e lanches, lojas de fantasias, aluguel de veículos e ambulantes de souvenirs, além de gastos com hospedagem e compras dos que estiveram em hotéis e pensões.

A pesquisa indicou que 32,2% dos entrevistados estiveram no Corso pela primeira vez, enquanto os 41,1% que participaram de versões anteriores afirmaram ter sido este ano muito melhor do que ano passado. Para 39,3%, o Corso permaneceu igual. Do total de entrevistados, 91,9% consideraram que o Corso correspondeu e até superou a expectativa.

Em relação ao meio de deslocamento, o folião preferiu ir ao Corso de transporte próprio, representando 46,6%, enquanto os demais utilizaram ônibus (24,8%) para se deslocar e táxis (22,1%). Vale registrar que 90,3% consideraram que a organização do Corso ficou dentro e acima das expectativas, enquanto 80,3% pensam em participar do evento no próximo ano. A pesquisa indicou ainda que os pontos avaliados como ótimo e bom foram: animação dos foliões (92,2%), divulgação do evento (81,0%) e segurança (74,8%). Os pontos negativos entre ruim e péssimo foram: estacionamento (25,7%), banheiros públicos (13,2%) e serviços de ônibus (12,2%).

A pesquisa foi feita por amostragem não probabilística, com acesso fácil ou conveniência. O folião aceitava responder ou não o questionário. O tamanho da amostra, 312 questionários, permitiu uma margem de erro equivalente a 5,7%, com nível de confiança de 95%.

Semdec identificará perfil de turistas no Corso de Teresina

Contando com 15 voluntários da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), a Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), realizará uma pesquisa de opinião entre os foliões do Corso 2016. O objetivo é identificar o perfil dos frequentadores do evento e medir a quantidade de turistas que chegam à cidade nessa época, inclusive os que vêm motivados exclusivamente pelo Corso. Além disso, a pesquisa avaliará a opinião do entrevistado, os gastos em função do evento e os principais acertos e pontos fracos do maior desfile de caminhões decorados do mundo.

Durante o Corso de 2015 a SEMDEC realizou a mesma pesquisa, que indicou que 85% dos presentes na avenida eram teresinenses e 15% eram provenientes de outras cidades do interior do Piauí e de outros estados. Em termos quantitativos, Teresina recebeu 36.500 turistas, tendo como base o cálculo da Polícia Militar, que identificou 250 mil pessoas no total de presentes. Como resultado, pode-se afirmar que 15 mil turistas vieram a Teresina motivados exclusivamente pelo Corso, na tarde e noite do dia 07 de fevereiro do ano passado.

Ainda em relação à pesquisa de 2015, do total de turistas entrevistados 77% se hospedaram em casas de parentes e de amigos e 23% em hotéis e pousadas. A idade média do folião se situou em torno de 33 anos, com renda média equivalente a R$ 2.380,00. Dentre os aspectos que mais agradaram 41% consideraram a animação, 17% os próprios foliões e os carros enfeitados e 14% as fantasias.

A pesquisa identificou uma leve predominância feminina no Corso (54%), havendo um equilíbrio entre as pessoas que trabalham no setor público (33%) e setor privado (36%). Dos entrevistados, 26% afirmaram que era a primeira vez que participavam do evento, um índice que estimulou o incremento do fluxo. Dentre os 73% que afirmaram ter participado de versões anteriores do Corso, 26% consideraram muito melhor, enquanto 27% acharam que permaneceu igual.

O secretário da SEMDEC, Fábio Nery, acredita que o entusiasmo se manterá na avenida. “Embora haja uma leve perspectiva de redução no número de caminhões decorados, por conta dos altos custos especialmente de aluguel de veículos, o folião permanecerá na avenida a pé, participando com uma a mesma animação das edições anteriores”, disse.

A pesquisa ouvirá, aleatoriamente, 300 pessoas durante o período em que durar o Corso, através da aplicação de questionários contendo 18 questões abertas e fechadas.

Prefeitura de Teresina diminui índices de desemprego na capital

Em meio à crise que o país enfrenta, a cidade de Teresina continua em destaque entre as capitais brasileiras no ranking de geração de emprego. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) para o ano de 2015, a cidade ficou em 1º lugar apresentando o maior saldo de novos postos de trabalho (admitidos e desligados) e é a 3ª capital do Brasil com o menor saldo negativo de demissões.

Enquanto o Governo Federal luta para atenuar o desemprego em todo o país, as políticas de geração de empregos desenvolvidas pela Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), demonstram seus resultados. Com a criação da Lei nº 4.410, de 2013, de benefícios e incentivos fiscais às empresas de Call Center, o setor vem, há dois anos, transformando o quadro econômico de Teresina.

Foram mais de 12.000 postos de trabalho somente com duas empresas do ramo instaladas em Teresina. Em 2016 mais um empreendimento deste setor chega à cidade, com expectativa de gerar mais 6.000 empregos em sua total instalação. A Semdec já articula o recebimento de currículo dos interessados enquanto as seleções não iniciam.

O secretário municipal do desenvolvimento econômico e turismo, Fábio Nery, cometa sobre a positividade em que Teresina se encontra apesar do quadro geral na economia do Brasil. “Isso mostra o quanto é importante ter um planejamento orientado para beneficiar a nossa sociedade. A política implantada pela Prefeitura para conseguir esse objetivo foi a atração de investimento em empresas que pudessem contribuir em grande escala para isso, que é o caso dos Call Centers. Teresina se destaca positivamente em relação a situação econômica do país porque a Prefeitura conseguiu criar uma política eficaz na geração de emprego e renda”, conclui ele.

Prefeito Firmino Filho sanciona Lei da Micro e Pequena Empresa

O prefeito Firmino Filho sancionou, na manhã de hoje (21), a Lei da Micro e Pequena Empresa. A solenidade aconteceu no auditório do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa, na presença da diretoria da entidade e do presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, Carlos Augusto Melo, o Caú, além do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Fábio Nery.

“Essa lei traz inúmeros benefícios para os empreendedores da nossa cidade, como a facilitação para compras governamentais e a desburocratização dos processos de abertura das empresas. As novas normas vêm em boa hora, num momento em que o país atravessa uma dificuldade econômica, em que os pequenos empreendimentos é que estão dando uma sustentação econômica para o país e gerando emprego. Exaltamos aqui o compromisso do Sebrae com esse projeto e com os empreendedores do Estado e esperamos continuar essa parceria entre a Prefeitura de Teresina e o Sebrae. Temos que manter o otimismo e fazer a nossa parte para que o amanhã possa ser melhor”, disse o prefeito.

A lei é destinada a três tipos de empresas: Micro Empreendedor Individual (MEI), Empresa de Pequeno Porte (EPP) e a Micro Empresa (ME). O projeto passou por duas votações na Câmara Municipal, por unanimidade na segunda votação. Além do tempo reduzido para se abrir a empresa, o micro empresário terá assegurado um acompanhamento com um agente de desenvolvimento em cada bairro da cidade, responsável por dar orientações, isenções dos tributos municipais, criação do comitê da microempresa e alvará provisório de funcionamento expedido pela Prefeitura.

O secretário Fábio Nery explica que a formatação do texto da lei levou cerca de um ano e trabalho conjunto de vários órgãos. “O Sebrae foi fundamental para que pudéssemos preparar essa lei. E não há melhor momento para que essa lei seja sancionada do que agora. É na crise que o desempregado busca o pequeno negócio como alternativa e uma das maiores dificuldades que ele encontra é a formalização. Teresina hoje é o 32ª melhor município para se empreender e um dos fatores considerados para isso é o tempo de abertura do negócio. Hoje o empresário leva 110 dias para se regularizar e acredito que com a implementação da Rede Sim vamos diminuir esse tempo, incentivando os empreendedores a se formalizarem”, explicou.

O Sebrae mantém um atendimento permanente aos micro e pequenos empreendedores. Atualmente, 25% do total de empresas em atividade no Estado, que é de 92 mil negócios, são acompanhadas diretamente pelos técnicos da instituição. De acordo com o superintendente do órgão, Mário Lacerda, a lei materializa um anseio dos micro e pequenos empresários e incentiva a abertura de novos negócios. “Os pequenos negócios têm sido o maior responsável pela geração de emprego no Brasil. Nos últimos três anos, 100% do saldo de empregos no país são de pequenos empreendimentos. Essa lei é um divisor de águas, uma garantia para a geração de empregos em Teresina.

SEMDEC apresenta balanço e faz projeções para 2016

Na manhã desta quarta-feira (06), a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC) promoveu um seminário com toda a equipe com o objetivo de fazer um balanço das ações realizadas nos anos de 2013, 2014 e 2015 e apresentar projeções de trabalho para o ano de 2016.

O evento foi aberto pelo secretário da Semdec, Fábio Nery, desejando um feliz ano novo a todos os presentes e refletindo sobre o que foi conquistado em apenas três anos de gestão. Durante a apresentação foram destacadas as seguintes ações: criação de lei municipal para atração de investidores, as empresas instaladas na cidade, o aumento da geração de emprego em Teresina, o destaque que a capital teve nos rankings nacionais, as premiações do município, as parcerias em cursos de qualificação com outras entidades além dos programas direcionados para o turismo.

Em sua fala, o secretário Fábio Nery mencionou a importância do trabalho realizado na Semdec e que todos os servidores são responsáveis pelas vitórias. “O trabalho da secretaria é de todos. Todos têm função, importância, participação e responsabilidades. Uns diretamente e outros indiretamente, mas igualmente importantes e essenciais para o desenvolvimento das atividades para a nossa sociedade”, disse o gestor.

Outra ação importante mencionada por ele foi a realização da Semana Global do Empreendedorismo – o maior evento de empreendedorismo do mundo – que aconteceu pela primeira vez em Teresina com o objetivo de inserir no município uma agenda internacional de desenvolvimento econômico, visando estimular, promover e propiciar aos cidadãos de todas as esferas a prática da criatividade empreendedora.

Em 2016, estima-se que 23 empresas, beneficiadas por meio das Leis nº 2.528/97 e 4.410/2013, se instalarão tanto nos polos empresarias quanto fora deles em Teresina. Estes empreendimentos irão investir quase R$ 64 milhões de reais na economia da cidade e vão gerar mais de 2.500 empregos novos. Ao final, foram entregues as agendas do ano de 2016 para todos os servidores.

Prefeito assina termo de permissão para empresa no Polo Industrial Sul

O prefeito Firmino Filho assinou na manhã de hoje (22) o termo de permissão temporária de uso de imóvel público de um terreno situado no Polo Empresarial Sul beneficiando a empresa Ferronorte. A transação foi mediada através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), com autorização da justiça.

De acordo com Fábio Nery, secretário da Semdec, o terreno de 13 hectares estava em desuso há mais de dez anos. “Esse é um investimento de mais de R$ 100 milhões, que irá gerar mais de 400 empregos diretos e 1.500 indiretos”, disse.

Firmino Filho destacou o crescimento da capital na geração de emprego nos últimos anos. “Teresina, mais uma vez, se destaca na geração de emprego e renda, mesmo em tempos difíceis na economia do país. É uma alegria estar assinando hoje esse termo de permissão, que reforçará mais ainda a vocação empreendedora de nossa cidade. Recebemos agora a notícia de que Teresina foi a primeira capital do Nordeste na geração de emprego em 2015 e a terceira em todo o Brasil, isso merece ser comemorado”, disse o prefeito.

Em desuso, o terreno, que já começou a sediar o investimento milionário, precisou que a sua utilização temporária fosse solicitada na Justiça, evitando a saída da empresa para estados vizinhos. O novo espaço está permitindo à empresa o aumento da sua capacidade produtiva, visto que a Ferronorte já funciona nas adjacências e para expansão dos seus negócios era necessária uma área maior.

Teresina entra na rota das melhores cidades para empreender no Brasil

Teresina entrou para o Índice das Cidades Empreendedoras (ICE) – Brasil 2015, através do estudo produzido pelo Instituto Empreender Endeavor – organização responsável por identificar e viabilizar a continuidade sustentada dos negócios de empreendedores de alto potencial de crescimento.

Pela primeira vez, em sua segunda edição, o ICE mostra os potenciais e desafios de Teresina, que ficou em 31º lugar no ranking. A cidade de São Paulo alcançou a primeira colocação no Índice de Cidades Empreendedoras 2015 (ICE), seguida por Florianópolis (SC), Vitória (ES) e Recife (PE).

No potencial empreendedor, que mensurou o quão empreendedora é a população da cidade e o tamanho do impacto que ela pode gerar, Teresina ficou acima de cidades como Curitiba, Brasília, Porto Alegre com índice de proatividade em 30,4. Em imagem do empreendedorismo, a cidade ficou em 1º lugar.

De acordo ainda com a pesquisa, Teresina registra uma imagem do empreendedorismo muito favorável em diversos pontos. Mais da metade dos entrevistados (51,6%) disse que “costuma ver exemplos de empreendedores na mídia” – a taxa mais alta entre as analisadas, cuja média é 40,1%.

O estudo avaliou 32 cidades brasileiras com base em sete grupos de indicadores: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura empreendedora. As cidades avaliadas pertencem a 22 estados da federação, com exceção da região Norte, onde são analisadas apenas Belém e Manaus, todos os estados das demais regiões foram representados ao menos por suas capitais. Além da maior abrangência geográfica, juntas essas cidades representam também mais de 41% das Scale-ups do país, e cerca de 37% do PIB nacional.

Mesmo com todas as dificuldades, o Nordeste é a região que apresenta a cultura empreendedora mais forte, e Teresina se destacou em 3º lugar neste ranking. Para tanto, foi desenvolvido um questionário, o Teste Meta, que já foi aplicado em mais de 100 mil pessoas ao redor do mundo, inclusive na capital piauiense.

Natal, Teresina e Maringá são os destaques do pilar de cultura. As três cidades estão entre as primeira posições do sub determinante de potencial para empreender com alto impacto. Inseridos no critério Cultura Empreendedora, dois pontos foram analisados: Potencial Empreendedor e Imagem do Empreendedorismo.

Desafios

Nos critérios de Ambiente Regulatório e Infraestrutura, em que Teresina apareceu com déficits, as ações implantadas pela Prefeitura através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), já estão sendo executadas para superar expectativas nas próximas pesquisas.

No Ambiente Regulatório, destacam-se como medidas já em execução, a validação da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e Legalização de Empresas e Negócios – Rede Sim; e o projeto de Lei da Micro e Pequena Empresa, que vai beneficiar na desburocratização da abertura de empresas. Já na Infraestrutura, a Prefeitura está trabalhando na melhoria das vias urbanas, ampliação da rede de cabo lógico e na criação do Porto Seco, em parceria com o Governo do Estado.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), Fábio Nery, a meta é que até a próxima pesquisa possamos melhorar no ranking, uma vez que, as referidas medidas já estão em execução.

Importância 

Inserida no Índice de Cidades Empreendedoras, grandes investidores podem ter acesso as vantagens e desvantagens de se investir em determina região citada no ICE. As grandes empresas recorrem a estudos como este, e Teresina tem suas chances ampliadas para o receber mais empresas e grandes investimentos.

O Economista e Gerente de Micro e Pequenas Empresas da SEMDEC, Fábio Alves Camelo, analisou os dados e acompanhou a pesquisa. “Temos mais essa opção, como uma espécie de janela, para sermos visto pelos investidores. Teresina se destaca também pelo o esforço da Prefeitura na melhoria das suas leis que dispõe de incentivos e benefícios fiscais às empresas, além de pessoas capacitadas para atuar em diversas atividades”, avaliou.

O gestor responsável por grande parte das articulações de melhorias nas leis que beneficiam empresas e geram mais empregos, o secretário da SEMDEC, Fábio Nery, ficou otimista com a pesquisa, embora ainda a cidade apareça em posições pouco favoráveis.

“Na primeira pesquisa Teresina não aparecia, e já estava bem a frente de muitas cidades que foram citadas lá. Esse foi o nosso primeiro grande passo, estar presente entre as cidades empreendedoras do país. O segundo passo é sermos visto, o ICE é uma vitrine para os economistas e investidores”, disse Nery. “Vamos continuar trabalhando para termos mais resultados e progressão de investimentos na nossa capital”, concluiu.

Além da Endeavor, estão envolvidos no estudo as empresas EY (antiga Ernst & Young), Meta, Opinion Box, SEDI e Spectra Investimentos.

Clique aqui e confira o índice completo.