O prefeito de Teresina Firmino Filho assinou hoje (24) o terno de doação do terreno localizado no Polo Empresarial Sul, entre os lotes 1 e 13, que será destinado a construção da sede da Companhia de Terminais Alfandegários do Piauí – Porto PI, que é gerida pelo Governo do Estado. A solenidade de assinatura ocorreu no Palácio de Karnak, ao meio dia desta terça-feira (24). Além do prefeito, assinaram o termo o governador Wellington Dias; o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, José Nery; o diretor presidente do Porto PI, Ted Barros; e o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Fábio Nery.

O terreno fazia parte do acervo do município de Teresina e possui uma extensão de 69.067,65 metros quadrados. Com a concessão, a Prefeitura cumpre a finalidade de atender a política de benefícios fiscais do município para as empresas do segmento atacadista e logístico.

“Nós já tivemos no passado uma abertura maior para as exportações. Agora estamos falando de uma obra de caráter simbólico, uma obra que vai abrir Teresina para o resto do mundo. A criação do Porto PI é de fundamental importância porque busca reduzir custos no comércio externo do nosso estado, facilitar as transações de Teresina e do Piauí com o restante do mundo. Busca nos integrar ao resto do mundo. Uma grande alegria podermos estar aqui fazendo a doação dessa área do Polo Empresarial Sul”, disse o prefeito Firmino Filho.

No Porto estarão instaladas as empresas interessadas em exportar seus produtos. Entre os benefícios com a criação desse empreendimento estão principalmente a geração de superávit para investimentos no Estado. “As vantagens são muitas se compararmos o movimento comercial via portos de exportação e importação em outros lugares. As arrecadações poderão ser usadas em programas sociais ou projetos estruturantes e contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população”, afirmou Fábio Nery.

Para a Associação Industrial do Piauí, a criação do Porto Seco é um sonho antigo do empresariado local e traduz um momento de real possibilidade de desenvolvimento para a capital. “Estamos a caminho de realizar uma antiga reivindicação das classes que produzem no Piauí. Quem não lembra da luta de Antonio Machado e Manoel Arrey, tentando que Teresina tivesse esse porto para alavancar suas exportações e importações”, comentou o presidente da AIP, Joaquim Costa Filho.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).